quinta-feira, 28 de julho de 2011

Aspirina pra gripe??? O Marketing da Indústria Farmacêutica

É engraçado o que o marketing faz com as pessoas. Eu sempre achei estranho o fato de muita gente tomar Aspirina "pra gripe". Recentemente, assistindo à TV, vi uma propaganda da Aspirina, e entendi o motivo. Embora essa propaganda estivesse tecnicamente correta, ela parece induzir os telespectadores a acreditar que este medicamento pode combater gripes e resfriados. Mas o que ele faz é tratar alguns sintomas associados a estas doenças, como dores de cabeça e no corpo, e febre. E só. Mas atendi uma cliente outro dia (que me inspirou a escrever este post), que disse que a Aspirina fazia ela parar de espirrar... E vai tentar convencê-la do contrário!

O marketing é uma arma poderosíssima! Muito mais do que a opinião e o conhecimento dos profissionais que realmente entendem do assunto.

Outro exemplo claro da influência do marketing é no caso do Advil Extra Alívio e do Buscofem. Ambos possuem em sua fórmula ibuprofeno 400mg, em cápsula gelatinosa com conteúdo líquido. O marketing do Advil é voltado para dores em geral, como dores musculares, de cabeça, nas costas, de dente, artrite, cólicas menstruais, enxaqueca, etc. Já o marketing do Buscofem é voltado apenas para cólicas menstruais. Agora, se os medicamentos possuem a mesma fórmula e o mesmo tipo de cápsula, eles não serviriam para as mesmas coisas? Claro que sim! Mas tente convencer alguém de que o Buscofem também pode ser usado para dor de dente... Vão te chamar de burro (na melhor das hipóteses), e que está tentando enganá-las!

As indicações que vêm escritas na caixa dos medicamentos também são importantes para o marketing. Quando a pessoa procura um medicamento para uma finalidade específica, e um fabricante coloca esta informação na caixa, e outro não, a pessoa acaba comprando o que tem a informação, apesar de os medicamentos serem idênticos. Isso acontece muito no caso dos genéricos isentos de prescrição. Os medicamentos são iguais, passaram pelos mesmos testes, e tudo o mais. Só os fabricantes são diferentes. Então, embora as informações nas caixas variem, as indicações são exatamente as mesmas! Não é necessário comprar aquela que esteja escrito o que você precisa!

Portanto, embora o marketing direcione a opinião do consumidor para o que as empresas desejam, usar o bom-senso é fundamental. Sempre!

terça-feira, 26 de julho de 2011

Antialérgico ou hipoalergênico?

Frequentemente, ouço comentários do tipo: "comprei um brinco antialérgico", ou "este hidratante é antialérgico". E pela quantidade de vezes que isso acontece, nota-se que muitas pessoas desconhecem a diferença entre antialérgico e hipoalergênico.

Antialérgico: são medicamentos que agem contra os sintomas das reações alérgicas, ou seja, das alergias. Eles agem bloqueando a ação de uma substância liberada durante os processos alérgicos, que é a responsável por desencadear os sintomas das alergias: a histamina. Por isso, esses medicamentos antialérgicos são chamados tecnicamente de anti-histamínicos. Entre os medicamentos dessa categoria encontram-se a loratadina (Claritin), dexclorfeniramina (Polaramine), fexofenadina (Allegra), hidroxizina (Hixizine).

Hipoalergênico: produto que tem baixo potencial para causar alergias. Sabe-se que algumas substâncias têm maior potencial para causar alergias, em especial as de origem proteica. Portanto, as indústrias farmacêuticas e de cosméticos procuram formular produtos evitando utilizar ingredientes que tenham maior probabilidade de provocar reações alérgicas. Por essa razão esses produtos são chamados de hipoalergênicos. No entanto, isso não significa que eles não possam provocar alergia. Apenas a chance de acontecer uma reação alérgica é menor.

Espero ter esclarecido!

terça-feira, 12 de julho de 2011

O que faz engordar?

Muita gente pergunta todos os dias o que faz engordar: "vitamina engorda?", "creatina engorda?", "BCAA engorda?", "Whey protein engorda?", e até algumas absurdas, como: "diclofenaco engorda?"...

Mas afinal, o que nos faz engordar?

Quando falamos em engordar, geralmente nos referimos ao aumento da massa gorda corporal, ou seja, gordura mesmo. Mas também pode ser aumento de massa total, principalmente a muscular.

Para sabermos o que pode fazer engordar, devemos fazer uma análise da composição do alimento ou do produto. E ver a presença e a quantidade de carboidratos, proteínas e gorduras, pois:


  • 1 grama de carboidratos equivale a 4kcal (Calorias)
  • 1 grama de proteínas (ou aminoácidos) equivale a 4kcal também
  • 1 grama de gorduras equivale a 9kcal
  • E até o álcool tem Calorias: são 7kcal por grama!
Por aqui já dá pra perceber por que as vitaminas não engordam. Elas não têm calorias. (veja também: É verdade que vitaminas engordam?)

Em nosso organismo, os carboidratos e as proteínas podem transformar-se em gordura. O excesso de consumo deles, que não foi aproveitado como energia nem como "matéria-prima", será convertido em gordura e então armazenado.

Produtos como creatina, BCAA, Whey protein, aminoácidos (veja também: Suplementos alimentares para atletas), se tomados em excesso, podem sim engordar. Como já expliquei, as proteínas podem ser transformadas em gordura em nosso corpo. E isso pode acontecer também, e até mais facilmente, com a malto (maltodextrina), que é carboidrato.

Claro que estes produtos podem contribuir para o aumento da massa magra (músculos), desde que tomados da maneira correta, compatível com o tipo de treinamento e fatores como idade, sexo, etc.

No caso de medicamentos, eles por si só não engordam, pois também não possuem calorias (com exceção dos xaropes!), e se possuem, geralmente é desprezível, não fariam alguém engordar. No entanto, alguns medicamentos podem "abrir o apetite". Neste caso, fariam a pessoa comer mais, o que poderia levar a um aumento de peso. E em alguns outros casos, podem aumentar a retenção de líquidos, e a pessoa fica inchada. Poucos podem levar a um aumento de peso real, de gordura. Mesmo os anticoncepcionais, nos quais muitas mulheres colocam a culpa por terem engordado, não têm evidências científicas de que realmente engordem.

Resumindo: em geral, tudo o que nos faz engordar contém carboidratos, proteínas e gorduras. Mas só engordaremos de acordo com a nossa genética, e se a ingestão calórica for superior ao gasto calórico.

segunda-feira, 11 de julho de 2011

Suplementos alimentares para atletas

Exatamente como acontece com aqueles que procuram remédios para emagrecer, muitos procuram uma maneira de aumentar seu rendimento esportivo, ou ganhar massa muscular mais rapidamente, através da ingestão de produtos. Neste caso, de suplementos alimentares. Embora possam ser realmente eficaz para alguns tipos de atletas, para a maioria dos mortais será apenas jogar dinheiro fora com suplementos caros, ou, em alguns casos, prejudicar a saúde. Mas não é essa a imagem que os fabricantes e revendedores desses produtos querem passar, é claro. Exibindo fotos de pessoas extremamente musculosas, querem que acreditemos que qualquer pessoa ficará assim consumindo esses produtos.

Creatina, whey protein, BCAA, aminoácidos, maltodextrina e albumina, entre outros, fazem parte do vocabulário e do cotidiano dos frequentadores de academias. Em busca do corpo considerado perfeito - musculoso, definido, e com uma porcentagem mínima de gordura,- muitas destas pessoas não hesitam em consumir o que acharem necessário para que este objetivo seja alcançado.

Obs.: Se você chegou a este artigo para saber como deve tomar algum dos suplementos, não irá encontrar esta informação. Você deve procurar um profissional qualificado que irá orientá-lo a utilizar os produtos, de maneira personalizada.

Neste artigo, vou tentar explicar de uma maneira simplificada, em cada tipo de suplemento, para o que ele realmente serve, para o que muitas pessoas acham que ele serve, e os riscos do seu uso inadequado.

Mas antes, vamos ver alguns conceitos fundamentais para o entendimento dos suplementos:

- Aminoácidos: Unidades formadoras das proteínas.São divididos entre essenciais e não-essenciais. Os aminoácidos essenciais são assim chamados porque são essenciais na nossa dieta, já que nosso organismo não pode produzi-los. São eles: fenilalanina, isoleucina, leucina, lisina, metionina, treonina, triptofano, histidina e valina. E os aminoácidos não-essenciais são aqueles que o nosso fígado pode sintetizar, a partir de alguns aminoácidos essenciais, da glicose, e de outros produtos metabólicos. São eles: alanina, arginina, asparagina, ácido aspártico, ácido glutâmico, cisteína, glutamina, glicina, prolina, serina e tirosina.

- Proteínas: Substâncias formadas por sequência de centenas ou até milhares de aminoácidos. Podem ser formadas por alguns ou todos os aminoácidos citados anteriormente. Cada proteína existente possui uma "receita" de aminoácidos: quantidade total e a ordem de cada um deles. Imaginemos uma proteína que contenha 100 aminoácidos. Se trocarmos apenas 1 aminoácido, como o de número 53, de alanina para isoleucina, por exemplo, já teremos uma proteína diferente, e pode ser completamente diferente, com características totalmente diversas. Nosso corpo é formado em grande parte por proteínas. Cabelo, unhas, músculos, partes da pele, dos ossos, do sangue, as enzimas... Tudo isso é formado por proteínas.

- Carboidratos: São a principal fonte de energia do nosso organismo. Existe uma infinidade de tipos de carboidratos, mas eles só podem ser convertidos em energia após serem transformados em glicose; no entanto, nem todos podem ser transformados em glicose. Metabolicamente, podem ser convertidos em energia de modo aeróbico (na presença de oxigênio), em processo de oxidação, ou de modo anaeróbico (ausência de oxigênio), em processo de fermentação. O processo aeróbico tem um rendimento energético muito maior do que o anaeróbico, porém é um pouco mais lento.

- Anabolismo: O efeito anabólico está associado à construção, formação, aumento, crescimento, regeneração e manutenção dos tecidos do organismo. Quando fala-se em esteróides anabolizantes, eles são anabolizantes porque promovem aumento da massa muscular.

- Catabolismo: Exatamente o oposto do anabolismo. O efeito catabólico envolve utilização, consumo, destruição, digestão, diminuição, perda.

Valor biológico: É uma medida da proporção de proteína de um determinado alimento que será efetivamente incorporada às proteínas do organismo. Isto depende da composição de aminoácidos do alimento e da sua digestibilidade. Quanto mais alto for o valor biológico, mais aminoácidos o organismo irá reter. O ovo é a fonte natural de proteínas de mais alto valor biológico, sendo atribuído o valor de 100, e com o qual todos os outros alimentos são comparados.


SUPLEMENTOS

1. Creatina

A creatina é um tripeptídeo, ou seja, é formada por 3 aminoácidos, a saber: arginina, glicina e metionina. É encontrada naturalmente em todos os vertebrados (incluindo nós, os humanos). Sua função metabólica é "levar" energia para todas as células do corpo, porém especialmente para as células dos músculos.

  • Para o que realmente serve: Reposição do estoque energético dos músculos. Em atividades de esforço muscular intenso (100 metros rasos, musculação, etc), os músculos utilizam reservas energéticas (chamadas de ATP) já formadas, pois precisa utilizar muita energia em poucos segundos, e não há tempo para esperar a produção de mais ATP originado do metabolismo da glicose com o oxigênio, que é mais lenta (embora produza bem mais ATP). A creatina serve justamente para recuperar o ATP na ausência do oxigênio (processo anaeróbico), permitindo que o exercício dure por mais alguns segundos. Mas a própria creatina que produzimos em nosso corpo já faz isso. A suplementação pode fazer com que a duração do esforço muscular aumente um pouco mais, mas isso só faz diferença para atletas de alto nível, onde qualquer ganho pode ser significativo. E não faz diferença alguma em exercícios aeróbicos, como corridas de longas distâncias, natação, etc.
  • Para o que as pessoas acham que serve: Aumento da massa muscular. Normalmente, as pessoas compram suplementos de creatina com o objetivo de aumentar a massa muscular. E quando começam a tomar este suplemento, sentem que em pouco tempo ele já está fazendo efeito. Só que é ilusório: não ocorre aumento de massa muscular, e sim uma retenção de líquidos. Parece que é músculo, mas é só água!
  • Riscos do uso inadequado: Pesquisas mostraram que o consumo de até 20g por dia parece ser seguro. No entanto, há relatos de danos renais relacionados ao uso de creatina.

2.  Maltodextrina

A maltodextrina, conhecida também como malto, é um suplemento energético, geralmente derivado do amido de milho. É formado por polímeros de glicose de tamanhos diferentes, o que faz com que seja absorvido lenta e gradualmente, mantendo o fornecimento de energia por um tempo mais prolongado.

  • Para o que realmente serve: Manter o fornecimento de energia em atividades aeróbicas de longa duração, como as maratonas, onde necessita-se manter o estoque de carboidratos durante o esforço, evitando que a energia seja retirada da massa muscular.
  • Para o que as pessoas acham que serve: Aumento da massa muscular. Parece incrível, mas muita gente acha que isso aumenta a massa muscular. Na verdade, ela poderia ter algum auxílio se tomada após a musculação, como reposição do estoque energético dos músculos. Assim, diminuiria o auto-consumo muscular. Mas daí a aumentar a massa muscular... Não é bem assim!
  • Riscos do uso inadequado: Por ser carboidrato, o que não for consumido como energia na atividade física, será transformado em gordura e em seguida armazenado. Se for ingerido sem um gasto energético compatível, o indivíduo além de não aumentar a massa muscular, vai aumentar a barriga (o famoso "panceps")! Ou seja, só deve ser usado em atividades onde o gasto energético seja muito elevado.

3.  BCAA

BCAA é a sigla em inglês para Branched-Chain Amino Acids (Aminoácidos de Cadeia Ramificada). São 3 os aminoácidos que possuem cadeia ramificada: leucina, isoleucina e valina.

  • Para o que realmente serve: Em casos de utilização muscular intensa, estudos têm demonstrado que a utilização de BCAAs, principalmente a leucina, poderia estimular a síntese proteica e diminuir o catabolismo proteico muscular. eles podem então ser efetivos no anabolismo proteico muscular, e na diminuição da lesão muscular após o exercício. Por isso os BCAAs são conhecidos por seu efeito anti-catabólico.
  • Para o que as pessoas acham que serve: Há quem diga que os BCAAs servem para aumentar o rendimento físico. Porém, não há evidências de que a suplementação com BCAAs exerça efeito significativo sobre ele.
  • Riscos do uso inadequado: Os principais efeitos adversos relatados com o uso do suplemento, especificamente com altas doses, são: desconforto gastrintestinal, como diarréia, além de comprometer a absorção de outros aminoácidos.

4. Whey Protein

Whey é o nome em inglês para o soro do leite. Whey protein são as proteínas extraídas do soro do leite,  que contêm alto teor de aminoácidos essenciais, incluindo os de cadeia ramificada (BCAAs). Possui altíssimo valor biológico, superior inclusive ao do ovo. As proteínas solúveis do soro do leite apresentam um excelente perfil de aminoácidos. Possuem peptídeos bioativos do soro, que conferem a essas proteínas diferentes propriedades funcionais. Os aminoácidos essenciais, com destaque para os de cadeia ramificada, favorecem o anabolismo, assim como a redução do catabolismo protéico, favorecendo o ganho de força muscular e reduzindo a perda de massa muscular durante a perda de peso. O alto teor de cálcio favorece a redução da gordura corporal. Melhoram, também, o desempenho muscular, por elevarem as concentrações de glutationa, diminuindo, assim, a ação dos agentes oxidantes nos músculos esqueléticos.
  • Para o que realmente serve: Segundo estudos, quanto menor o intervalo entre o término do exercício e a ingestão protéica, melhor será a resposta anabólica ao exercício. Existem diferentes vias pelas quais as proteínas do soro favorecem a hipertrofia muscular e o ganho de força, otimizando, dessa forma, o treinamento e o desempenho físico. A quantidade e o tipo de proteína ou de aminoácido, fornecidos após o exercício, influenciam a síntese protéica. Estudos têm mostrado que somente os aminoácidos essenciais, e em especial a leucina, são necessários para estimular a síntese protéica.
  • Riscos do uso inadequado: Estudos mostram que o consumo de proteínas, mesmo em doses elevadas, não parece causar uma sobrecarga dos rins. Porém, mesmo uma leve insuficiência renal poderia ser agravada com um consumo elevado de proteínas.

Suplementos engordam? Se tomados de maneira errada, incompatível com o gasto calórico e o tipo de treino, poderão ser transformados em gordura e então armazenados. Ou seja, podem engordar, sim! Explicações mais detalhadas em: O que faz engordar?

Muitas pessoas perguntam: quanto tempo levarão para aumentar a massa muscular com o uso dos suplementos? E a resposta é: Depende! Do quê? Do tipo de suplementos, do tipo de treinamento e, o principal, da genética! E também não adianta nada começar a usar suplementos antes de começar a treinar, como muitos fazem!

Portanto, se você não quiser jogar seu dinheiro fora, ou pior, jogar sua saúde fora, consulte sempre um nutricionista ou um médico nutrólogo, que indicarão se e o que você precisa. Ok?

sexta-feira, 1 de julho de 2011

Os perigos dos chazinhos contra gripe (tipo Vick Pyrena)

Calma! Não se assuste! Esses chazinhos "contra gripe" não são perigosos por eles próprios. O problema é que muitos usam de maneira errada...

Muita gente compra esses medicamentos em forma de chá, achando que são complementos ao tratamento com os chamados antigripais, como o Naldecon e o Resfenol, por exemplo. Mas o que a maioria não sabe, é que o que faz efeito nesses chás é o paracetamol, que encontra-se na dosagem de 500mg. O paracetamol serve como analgésico e antipirético (antitérmico), ou seja, para dores e febre. E muitos medicamentos contra gripe (como os dois citados anteriormente) e alguns analgésicos também possuem o paracetamol em suas composições.

Porém, não devemos associar medicamentos que contêm paracetamol, já que altas doses deste fármaco são hepatotóxicas (=tóxicas para o fígado). Isto acontece porque o paracetamol, depois de sofrer algumas transformações no organismo, forma diversas substâncias (metabólitos). Uma delas é tóxica. Todavia, em doses baixas ela é rapidamente neutralizada por uma substância chamada glutationa. Em doses altas, essa neutralização acaba com o estoque de glutationa, que é um antioxidante (protege as células contra os radicais livres). Sem glutationa, as células do fígado passam a ser atacadas pelos radicais livres, e consequentemente morrem, podendo levar a uma falência hepática seguida de morte do paciente em poucos dias. E se o paciente for usuário de bebidas alcoólicas, pior ainda. A dose tóxica de paracetamol é ainda menor do que para quem não bebe.

Segundo Anthony Wong, Chefe do Centro de Assistência Toxicológica (Ceatox) do Hospital das Clínicas de São Paulo:

1) "Ao tomar mais de um remédio, primeiro verifique se eles contêm a substância paracetamol. Caso contenham, não ultrapasse a margem terapêutica recomendada (segundo a FDA nos EUA, esta é de 4 g / dia).
2) Em segundo lugar, não se pode pensar que o medicamento é seguro só porque é vendido sem prescrição. São remédios como outro qualquer e requerem cuidado. É preciso lembrar que a intoxicação por paracetamol é muito mais frequente do que o que se pensava antigamente.
3) Por último, nunca se deve fazer automedicação, mesmo com remédios de venda livre, principalmente para crianças. O fato de ser de venda livre não reduz em nada os possíveis efeitos danosos."
4)"Além disso, quem ingerir três ou mais doses de bebidas destiladas (como uísque, pinga, vodca, gim) NÃO deve tomar paracetamol."

Conclusão: o chazinho não é apenas um chá, mas sim um medicamento! E como tal deve ser tomado com cautela. Quanto ao efeito, é exatamente a mesma coisa tomar um envelope de Vick Pyrena ("chá Vick") ou um comprimido de Tylenol 500mg. O fato de ele ser "quentinho" só traz uma sensação de maior conforto, pois psicologicamente remete aos cuidados da mãe que preparava um chazinho pro filho doente.

Este é um dos exemplos do por quê de os medicamentos não poderem mais ficar ao alcance direto do público nas farmácias. É para que as pessoas possam ser orientadas pelo farmacêutico, e não coloquem suas vidas em risco. Depois desta lei entrar em vigor, já orientei muita gente que ia fazer bobagem. E ainda tem gente que é contra ela...

Pesquisar este blog

Você também poderá gostar de:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...